EXPRESSIVIDADE E FUNCIONALIDADE

ciga

Poltrona “Cigarra”, da Terinn Arquitetura e Mobiliário, foi uma das selecionadas para o maior evento de design brasileiro em Milão

Por Layse Moraes
Fotos Fábio Pitrez 

A cidade de Milão, na Itália, é referência por seus eventos de arquitetura e design – entre os destaques, a maior semana de design do mundo, a Fuorisalone – Milano Design Week, que aconteceu neste ano no início de abril.

Dentro do evento, a Be Brasil teve como objetivo divulgar o país com uma mostra de todo tipo de produto nacional relacionado a desenho, cerâmica e outros objetos. O evento também contou com a presença de designers convidados – entre eles, referências como Zanini de Zanine, Indio da Costa e Marcos Maia + Gilmar Mazari, da Terinn Arquitetura e Mobiliário, que tiveram a poltrona “Cigarra” escolhida pela curadoria.

A seleção é criteriosa e depende de uma série de exigências: o desenho tem que ser inovador, a composição do produto precisa conter inovação e sustentabilidade, diferencial tecnológico, potencial de comercialização, identidade brasileira e funcionalidade: “A poltrona ‘Cigarra’ é um resumo do que a gente gosta de fazer: um desenho expressivo, mas ao mesmo tempo tem toda uma atenção à funcionalidade e à ergonomia”, contam eles.  Com referência retrô e ar de anos 50, ela surgiu de um exercício de como desenhar uma peça com uma estrutura metálica bem fininha, que os pés e os braços fossem contínuos, e no fim saiu com uma silhueta que lembra um inseto. A poltrona tem duas versões, a de espaldar baixo e espaldar alto – esta última, a escolhida para a Milano Design Week. Únicos de Londrina entre os designers convidados, eles ressaltam o próprio foco: “expressividade x funcionalidade. Estamos focados nesse nicho, escolhemos isso”.

Aqui, a poltrona “Cigarra” pode ser encontrada na Domum Store, mas é vendida em todo o país. “É uma peça pensada e produzida localmente”, reforçam.  “O retorno dos compradores foi que ela trazia alguma coisa nova no desenho, diferente do que estava no mercado. Quando a gente chegou lá em Milão, esse retorno foi reforçado”, contam eles, que tiveram um resultado tão legal que já foram convidados para participar da edição do ano que vem.

Marcos e Gilmar sempre criaram peças desde o início de suas carreiras – eles estão no mercado desde 1987. “A gente não separa arquitetura de mobiliário. É importante ter essa coisa completa, que vai do detalhe ao macro. É a ideia de responder ao cliente uma coisa autoral, que o projeto dele seja único”, esclarecem eles. E completam: “O que as pessoas procuram na decoração de interiores hoje é contar a sua história. Buscar peças que tenham uma identificação e que no final tenha ali uma representação da sua personalidade. Então o que a gente acha que faz é desenhar repertório para contribuir com esse discurso de cada um. Se a pessoa vai se identificar com aquilo, é como se a gente estivesse produzindo palavras pra completar aquela história”.

Gilmar Mazari

Marcos Maia

0 Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*