D.ON – ELIS & TOM

imagem_de_texto_2

Por Luiz Gustavo Forte

Em 1973, quando percebeu que no ano seguinte Elis Regina completaria 10 anos como contratada da gravadora Philips, seu então presidente, André Midani, perguntou para Elis o que ela queria como presente: um carro importado, uma viagem ao exterior, o que ela quisesse.  A resposta foi surpreendente: “Gravar um disco”. Midani não entendeu, pois Elis gravava discos anualmente. Só que ela completou: “Mas é um disco só com músicas de Tom Jobim e com a participação de Tom Jobim”. Assim se deu início ao projeto do histórico álbum “Elis & Tom”, gravado e lançado em 1974.
Tom, que já morava nos Estados Unido, depois de muita demora para responder, aceitou gravar o disco, mas se recusou a viajar para o Brasil, pois estava envolvido em vários projetos musicais. Naquele tempo, a tecnologia não ajudava e a gravadora não sabia se seria viável a realização do álbum, pois o transporte e a hospedagem de toda a equipe de ténicos e músicos significaria aumento de custos. Após participação fundamental do produtor Aloysio de Oliveira, que tinha boa influência com todos, o projeto foi assinado e a gravadora concordou em levar a equipe para Los Angeles.
Houve momentos de muita tensão, afinal era uma fã gravando um disco com seu ídolo. Elis ainda estava ressentida com Tom, já que ele a havia menosprezado no início de sua carreira, dizendo que ela não teria futuro como cantora devido ao seu sotaque gaúcho. Elis também nunca havia sido uma fã de bossa-nova, sendo seu repertório influenciado pelo jazz, bolero e samba-canção. Somando-se a isso, Tom ainda queria que a gravação fosse com músicos americanos e, Elis, com os que a acompanhavam, sendo eles Helio Delmiro à guitarra, Oscar Castro-Neves ao violão, Luizão Maia o baixo, Paulo Braga à bateria e Chico Batera à percussão, além de Tom e Cesar ao piano e piano elétrico respectivamente. Tom também pretendia que os arranjos fossem feitos por Claus Ogerman ou Dave Grusin, e não por Cesar Camargo Mariano, que além de excelente arranjador, era também marido de Elis à época e já começava a desenvolver a intodução de instrumentos elétricos na bossa-nova, algo inaceitável para Tom. Já sem paciência e querendo acabar com a discussão, Elis, com toda sua segurança, falou: “Tom, o disco se chama Elis e Tom, não Tom e Elis. O dia que você fizer o disco Tom & Elis,  aí sim será de sua maneira”. Tom sorriu e, dentro de sua elegância, cedeu às exigencias da Pimentinha. Assim que começaram as gravações, a tensão e o constragimento ficaram para trás, pois se tratava de duas pessoas que tinham a música acima de tudo. Com isso, foi produzido e concluído este álbum que é reconhecido mundialmente no meio musical e que nos presenteou com a melhor versão de “Águas de Março”, registrada em um magistral vídeo com Tom e Elis.
Mais histórias desse aclamado álbum podem ser encontradas nos livros Solo-Memórias(Cesar Camargo Mariano) e Nada Será Como Antes(Julio Maria).

Aperte o play: