INSPIRE-SE COM O DIY

do it yourself

Impulsionada pela crescente preocupação ambiental, a ideia de proporcionar novos usos a materiais  possibilita a concepção de espaços de modo sustentável, econômico e exclusivo

por Edson Faria

Referenciando os reparos domésticos realizados pelos próprios moradores no pós-guerra da década de 1950, surgiu nos Estados Unidos a cultura “do it yourself” ou, em português, “faça você mesmo”. Com a disseminação das ideias anticonsumistas e anticapitalistas, posteriormente, nas décadas de 1970 e 1980, o movimento ganhou notoriedade e se popularizou nos cenários punk e rock underground, em que bandas contavam com uma produção totalmente independente. De lá para cá, o nostálgico DIY ressurgiu como uma reação cool contra a cultura de massa e o consumo tecnológico desenfreado. Mas qual foi o resultado disso na decoração? Simples: originalidade.

Adega Oficina de Casa

Impulsionada pela crescente preocupação ambiental, a ideia de proporcionar novos usos a materiais que antes seriam descartados, possibilita a concepção de espaços de modo sustentável, econômico e exclusivo. Isso sem contar os benefícios terapêuticos das atividades manuais.

No novo contexto socioambiental, a palavra de ordem é transformar. A filosofia DIY consiste em fazer uso das potencialidades decorativas ou funcionais de artigos antigos diante das necessidades presentes. A aplicação desse princípio se estende das mais diversas maneiras, abarcando desde a personalização de um móvel até a confecção de uma almofada. Criatividade e inspiração são os únicos elementos indispensáveis.

Móvel Samantha Pattillo

Dentre todas áreas, provavelmente a marcenaria seja a de maior popularidade entre os adeptos desse movimento. E se você acredita que o resultado do trabalho seja um objeto desinteressante ou mal acabado, observe essa adega tipo colmeia confeccionada com madeira de paletes pelo site ‘Oficina de Casa’. Assim como esta, várias outras peças podem ser desenvolvidas a partir de materiais simples e baratos. A internet está repleta de ideias e tutoriais que explicam todo o processo de confecção de objetos com mais diversos níveis de complexidade. Sendo assim, não há desculpa para não tentar.

Cabe informar também àqueles que presumem que esse conceito de decoração é destinado apenas aos jovens e estudantes que este movimento é tendência de decor em todas as esferas sociais. Recentemente, a Casa Vogue Experience, evento realizado pela revista de mesmo nome, teve como um dos seus workshops mais disputados a confecção de um castiçal em estilo industrial usando materiais comuns como tubos metálicos e conexões. Isso mesmo, em meio aos mais belos designs nacionais e internacionais estava um castiçal feio com tubos de cobre oxidado.

Em suma, nota-se que o conceito de DIY não é tão recente como se imaginava. Uma cultura que se iniciou por fatores econômicos acabou por se tornar uma tendência de comportamento, criação e produção mundial. Seja por suas vantagens econômicas ou terapêuticas, o ‘do it yourself’ é uma alternativa para deixar a sua marca na decoração, pois, assim como uma peça vintage empresta história ao seu ambiente, apostar em um objeto desenvolvido por você agrega singularidade a composição.

EDSON FARIA É ARQUITETO APAIXONADO POR INTERIORES. AQUI NA DROPS, ELE ESCREVE SEMANALMENTE ESTA COLUNA SOBRE O UNIVERSO DA ARQUITETURA

Castiçal Paulo Biacchi

Pratos com pintura DIY