A PLANTAÇÃO DE MÓVEIS DE GAVIN MUNRO

5 - 005_01_GavinMunro

O projeto Full Grown, iniciado em 2005 por Gavin Munro, alia arte milenar e tecnologia moderna na promoção do convívio e da coexistência entre arte e natureza

por Edson Faria

O conceito de sustentabilidade tem ganhado força desde seu surgimento no início da década de 1990, tornando prática aquilo que antes era apenas discussão teórica. Diante do novo contexto, empresas de todos os setores se viram pressionadas a seguirem padrões econômicos, sociais e ambientais que certificassem sua produção sustentável para um mercado cada vez mais consciente. Como pode-se prever, na decoração não ocorreu de modo distinto, colocando a busca por soluções ecoeficientes como premissa do processo de concepção e fabricação das peças. Até aí, tudo bem. Agora imagine se esse conceito de produção sustentável fosse elevado ao extremo e móveis pudessem ser colhidos como um fruto de uma árvore, em um processo totalmente ecológico? O que parecia impossível foi alcançado por um designer inglês, em Derbyshire, um condado rural da Inglaterra.

O projeto Full Grown, iniciado em 2005 por Gavin Munro, alia arte milenar e tecnologia moderna na promoção do convívio e da coexistência entre arte e natureza. Sua abordagem inovadora consiste em moldar plantas ainda durante seu processo de crescimento, forçando-as a assumirem o formato de peças como mesas, cadeiras e luminárias.  Segundo ele, “é como uma impressão 3D orgânica que usa ar, solo e sol como materiais de origem.”

Assim que os primeiros galhos crescem, o molde da peça é encaixado à árvore, funcionando como um guia para que os pequenos troncos sigam na direção correta. Dessa forma, eles se mantêm unidos até que os ramos consigam se manter juntos e tornem o objeto sólido. O designer afirma que “a busca é sempre por árvores que tenham uma boa aderência ao juntar os galhos uns aos outros, que sejam fortes e não cresçam muito devagar”. Tal preocupação existe porque o período de crescimento e fortalecimento dos ramos pode levar até 8 anos dependendo da espécie. Salgueiros e carvalhos são as mais utilizadas na produção, mas as espécies frutíferas, como macieiras e ameixeiras, também produzem ótimos resultados.

Assim sendo, após atingir a resistência necessária, o móvel é retirado do solo e passa por um processo de secagem em estufa, recebe uma camada de cera e está pronto para uso. O designer sugere que de tempos em tempos a cera seja reaplicada como manutenção, garantindo vida longa à peça.  Outro aspecto incrível do processo desenvolvido por Gavin é que a colheita da peça não acarreta na morte da planta, permitindo assim que ela se recupere e produza novas unidades.

Com a primeira safra já concluída em 2017, o artista pretende ampliar a variedade da produção de Full Grown, já que segundo ele é possível plantar qualquer objeto que se queira. No entanto, se você está ansioso pra colher uma das peças exclusivas do jardim inglês, é melhor se acalmar, pois a lista de espera vai até 2024 e a produção é limitada a 30 peças anuais.

Na decoração, essas esculturas funcionais não passam despercebidas nem ao olhos dos mais desatentos, se tornando certamente o ponto de interesse de toda a composição. Os ares do campo, inerentes à proposta, proporcionam aquela sensação de aconchego e tranquilidade tão desejados quando se fala em conforto e bem-estar.

O sucesso de iniciativas inovadoras como a de Gavin Munro demonstram o quanto o design sustentável tem sido procurado e valorizado por um público interessado em processos que viabilizem o menor uso de recursos para a criação de soluções importantes e esteticamente agradáveis. Embora não só de grandes inovações viva o design, espera-se que propostas criativas e revolucionárias como essa floresçam, pois o conceito de viver bem foi repensado e o consumismo agora é verde.