DIA DOS AVÓS

Avós

Conheça as vantagens de se ter um animal de estimação na terceira idade

Nesta quinta-feira (26) é comemorado o Dia dos Avós no Brasil e em Portugal. Essa data foi escolhida por ser o dia em que celebramos São Joaquim e Santa Ana, avós de Jesus e pais de Maria de Nazaré. De cunho religioso, o  Dia dos Avós não é comemorado no dia 26 de julho no mundo todo. Na Itália, por exemplo, eles celebram no dia dois de outubro. Nos Estados Unidos, a festa é no primeiro domingo de setembro. No Reino Unido, no primeiro domingo de outubro. A França, um caso especial, comemora no primeiro domingo de março o Dia das Avós e, no primeiro domingo de outubro o Dia dos Avôs.

Independente da data em que o Dia dos Avós é comemorado, um fato é universal: ter uma animal de estimação na terceira idade é uma ótima ideia. Muitos estudos indicam que os animais de estimação podem trazer diversos benefícios para os humanos. O que muita gente não sabe, é que esses benefícios são ainda maiores na terceira idade. Esses animais além de fazerem companhia, ajudam os idosos a se manterem ativos, fazendo exercícios e cuidando da casa. Os animais têm se mostrado um ótimo remédio, ou ao menos, uma ótima vitamina para as avós e avôs.

Reprodução

Uma pesquisa publicada no National Center for Biotechnology Information, indicou que os idosos que têm um animal em casa apresentam maior bem-estar psicológico e físico. Além disso, dois terços das pessoas na terceira idade consideraram os animais como seus “melhores amigos” e “razão para se levantar de manhã”. Outro dado é que 65% consideraram sua saúde excelente com os pets. Tudo isso, porque eles podem ajudar a diminuir o estresse, depressão, mau humor, insônia, falta de apetite e dor. É ideal que adultos com mais de 65 anos façam pelo menos, uma vez por semana, duas horas de atividades físicas. Com os bichinhos, os idosos têm uma desculpa para fazer esse exercício – isso inclui passear e caminhar com o cão. Além disso, as brincadeiras sempre deixam o dono em movimento constantemente.

Claro que é muito importante escolher um animal que não traga preocupações e dores de cabeça para o idoso. É muito importante analisar as características e saúde do bichinho. O ideal é escolher um animal adulto, pois possuem a personalidade mais desenvolvida e têm menos chances de apresentar comportamentos mais agitados – como destruição de objetos e incômodos causados por filhotes. Além do mais, a iniciativa estimula a adoção daqueles animais que têm poucas chances de ser adotados. O tamanho do bichinho também é muito importante. É recomendado um animal de pequeno e médio porte, para que não leve a acidentes devido à força. Com relação às raças, é recomendado um animal sem raça definida. O “vira lata”, já que tende a ser muito afetuoso e ter menos problemas de saúde. Em uma ONG ou abrigo, o responsável poderá indicar qual personalidade lá se dará bem com o idoso.